Bem-vindos. Neste blogue, têm lugar textos da autoria de membros da comunidade educativa da Escola Secundária de Vilela e apontamentos diversos sobre livros e literatura.

09
Nov 11

 

O contributo de hoje para a divulgação do soneto como forma poética viva e actuante deve-se à Catarina Sousa, do 11.º D, autora do texto que a seguir reproduzimos. Esperemos que continuem a apreciar os sonetos modernos que vos temos oferecido ao longo das últimas semanas.

 

Não havia luz, não havia nada,

Só tinha medo de o usar ali;

Quando cheguei à conclusão assi,

Era o computador que não ligava.

 

Estava com medo, nervosa... passada;

Falei com a Adriana e a Bibi,

Elas gozaram comigo e eu sorri

Pela tal coisa que já não lembrava.

 

Peguei no carregador e liguei-o,

E logo assim a luz apareceu.

E será que é desta? – interroguei-o.

 

Ele ignorou-me e não me respondeu;

Fiz-lhe festinha, oh, incentivei-o,

Cliquei na tecla on, assim já deu.

publicado por escoladeescritores às 09:35

Novembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

2 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO