Bem-vindos. Neste blogue, têm lugar textos da autoria de membros da comunidade educativa da Escola Secundária de Vilela e apontamentos diversos sobre livros e literatura.

24
Mar 11

 

Publicamos hoje um poema do Carlos Carvalho, do 11.º B (que regressa, assim, a este espaço), abordando o contraste entre a protecção da infância e o abandono da maturidade.

 

Corpo de homem,

Cabeça de menino,

Quem me dera hoje

Ser de novo pequenino.

 

Dormir e acordar

Em constante alegria,

Rodeado de amor,

Paz e harmonia.

 

Estar junto de quem

Nesse tempo me ajudou a crescer,

Deu tudo o necessário

Para eu bem viver.

 

Ser criança de novo

Seria, sinceramente,

Mais que um desejo, sonho,

O que queria realmente.

 

Sorrir e receber sorrisos,

Chorar e ser acarinhado,

Correr e ser perseguido,

Dormir e ser admirado.

 

Porque nascer pequenos e não grandes?

Assim, poderíamos aproveitar

Aquilo que desprezamos,

Mas que passamos a invejar.

 

É a vida de criança

Que a todos falta faz,

Por isso percam um pouco de tempo

E no tempo voltem atrás.

publicado por escoladeescritores às 12:15

comentário:
Parabéns! :)
Albino a 28 de Abril de 2011 às 16:57

Março 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
25
26

27
28
29
30
31


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

2 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO