Bem-vindos. Neste blogue, têm lugar textos da autoria de membros da comunidade educativa da Escola Secundária de Vilela e apontamentos diversos sobre livros e literatura.

26
Out 11

 

A Marisa Nogueira, do 11.º D, é a autora deste soneto rigorosamente construído, que, numa linguagem cuidada, reflecte sobre os enganos da paixão amorosa.

 

O sol que nasce na manhã luzente,

O desfecho que já cedo adivinha

O intenso sofrer desta alma minha

Que me fez procurar-te desesperadamente.

 

Uma longa viagem, de nascente a poente,

Meu magoado coração para ti caminha;

A emoção cresce, e muito asinha,

De ti me aproximo fervorosamente.

 

Foi c’o teu jeito endiabrado

Que enfeitiçado eu fiquei,

E tão loucamente apaixonado.

 

Por ti sofri, por ti chorei,

Fui enganado, fantasiado,

Mas tão docemente me entreguei.

publicado por escoladeescritores às 09:27

19
Out 11

 

Hoje publicamos a contribuição da Joana Freire, do 11.º D, para o desenvolvimento do soneto como forma poética viva na língua portuguesa. Trata­‑se de um texto que reactiva esse tópico tão frequentemente reiterado do sofrimento amoroso.

 

Só quero para longe correr!

A dor aperta até doer

Na alma, no corpo…

É como se estivesse morto.

 

Estou já cansado de lutar,

Mas da dor me quero libertar,

Deste peso no coração,

Destas lágrimas de paixão.

 

Estou a sofrer por amor,

Foste tu a causadora

Do meu ardor interior.

 

Com esses olhos me cativaste!

Com esses lábios me chamaste!

Foste tu que me mataste!

publicado por escoladeescritores às 09:26

12
Out 11

 

A Cristina Barroso, do 11.º D, também construiu um soneto, depois de estudar esta forma poética tão célebre. O resultado é hoje dado a conhecer através do nosso blogue.

 

Um Beijo

 

Sempre ouvi dele falar,

Sempre com muito carinho,

Ele faz-me faltar o ar:

Estou a falar do beijinho.

 

Quando a primeira vez o provei,

Fiquei de tal modo louco

Que imediatamente achei

Que aquele sabia a pouco!

 

Então sem demora mais pedi

Para meu desejo saciar,

Pois só assim feliz ia ficar.

 

Quando finalmente o recebi,

Tudo fiz para demorar,

Para com aquele prazer ficar.

 

[Em cima: O beijo, de Auguste Toulmouche.]

publicado por escoladeescritores às 09:35

11
Out 11

 

O primeiro soneto construído numa aula de Literatura Portuguesa que aqui publicamos é da autoria da Cátia Barbosa, do 11.º D, e tem como tema a paixão amorosa e o sofrimento. Boa leitura.

 

Ontem, por certos instantes,

ao vê-la a chorar,

minhas lágrimas constantes

não conseguiram parar.

 

Magoada se sente

por se apaixonar,

por mais que tente

nunca te irá perdoar.

 

Por tanta paixão se perdeu,

até escreveu

o quanto o seu coração sofreu.

 

Dor persistente,

choro permanente.

Morre subitamente!

publicado por escoladeescritores às 12:58

Outubro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
13
14
15

16
17
18
20
21
22

23
24
25
27
28
29

30
31


subscrever feeds
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

2 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO